A Liberdade de Expressão e o Brasil ou Guy Fawkes e V

Para resumir o que vou falar aqui: “Remember remember, the 5th of november”

Minha vida anda do jeito que eu gosto: sem muito movimento, com bastante tempo para fazer o que eu quiser – que, na maior parte do tempo, é tocar piano e estudar música. Infelizmente eu também sou mais um dos muitos viciados em internet, o que me toma algum tempo diário. Fazer o que? A internet é o lugar onde eu posso conseguir informações, dar minhas opiniões e navegar por um sem fim de websites.

Foi surfando na web, de um site para o outro, que acabei chegando em um arquivo da Wikipédia sobre o famigerado website The Pirate Bay. Dali, dei mais alguns clique e voilà: fui parar em um artigo que falava sobre um partido suéco chamado Pirate Party – sim, Partido Pirata. A dita organização política é constituida em grande parte por jovens de 18-29 anos de idade, que pregam contra as leis suécas de copyright. O website deles foi uma leitura interessante, e acabei descobrindo que a idéia do partido se espalhou como fogo: hoje mais de 30 países possuem “filiais” do Pirate Party, incluindo o Brasil.

Eis então que fui visitar o website do Partido Pirata do Brasil; chegando lá, logo na abertura do site, me deparo com uma notícia preocupante: a justiça condenou alguém por algo dito na internet! Danos morais! Pois que resolvi ler os comentários das pessoas, e havia várias opiniões: desde a mais dura “eu abomino a justiça desse país” até as que defendiam a justiça brasileira, que sugeria que devemos entender que há direitos e deveres, e que um desses últimos é o de respeitar os outros. Respeito? No Brasil? Isso é um absurdo, respeito em um país como esse [/ironia]. De qualquer modo, o que me alarma realmente é a confusão que parece haver entre respeito e crítica – muitas vezes uma crítica implica em falar fatos pouco agradáveis, mas perante a lei alguns podem ser considerados como desrespeito. E agora? Onde foi parar a nossa liberdade de expressão? Não se pode mais dar sua opinião sobre algo ou alguém? Só podemos tecer elogios em relação aos outros? Eu não sei. Não pensei o suficiente sobre isso. Um dia vou fazer um texto melhor sobre isso tudo. Por enquanto eu me porto como o brasileiro comum: sem opinião formada, sem saber nem poder falar.

Para os interessados, trecho de um texto obra-prima:

Allow me first to apologize; I do, like many of you, appreciate the comforts of the everyday routine, the security of the familiar, the tranquility of repetition. I enjoy them as much as any bloke. But in the spirit of commemoration, and whereby, important events of the past – usually associated with someone’s death or the end of some awful, bloody struggle – are celebrated with a nice holiday; I thought we could mark this november the 5th (…) by taking some time out of our daily lives to sit down and have a little chat. There are, of course, those who do not want us to speak: I spect even now, orders are being shouted into telephones, and men with guns will soon be on their way. Why? Because while the truncheon may be used in lieu of conversation, words will always retain their power – words offer the means to meaning, and for those who will listen, the enunciation of truth. (…) Cruelty and injustice, intolerance and oppression. And where once you had the freedom to object, to think and speak as you saw fit, you now have censors and surveillance, coercing your comformity and solicitig your submission. How did this happen? Who is to blame? Certainly there are those who are more responsible than others. (…) But again, truth be told, if you’re looking for the guilty, you need only look into a mirror. I know why you did it, I know you were afraid; who wouldn’t be? (…) There were a myriad of problems which conspired to corrupt your reason, and rob you of your common sense. Fear got the best of you. (…) he promised you order, promised you peace, and all he demanded in return was your silent, obedient consent. (…) More than four hundred years ago, a great citizen wish to embed the 5th of novemeber forever in our memories. His hope was to remind the world that fairness, justice and freedom are more than words; they are perspectives. (…)
– V

O link para a notícia: http://g1.globo.com/Noticias/Tecnologia/0,,MUL1389642-6174,00-DONO+DE+BLOG+E+CONDENADO+A+PAGAR+R+MIL+POR+COMENTARIO+DE+INTERNAUTA.html

O que isso tem a ver com a música? Uma crítica: a indústria fonográfica é um retrocesso abissal para a ascensão dos verdadeiros talentos da música, bem como dos talentos não tão privilegiados. Há um modelo de comércio fonográfico que monopoliza a idéia de como deve ser “vendido” um músico, e esse modelo é uma vergonha. Curiosamente, esse país também é uma vergonha.

Terrinha cheia de gentinha.

Anúncios

3 Responses to A Liberdade de Expressão e o Brasil ou Guy Fawkes e V

  1. William disse:

    Várias pessoas acreditam que a teoria reformista é o caminho para um país melhor,assim como eu acredito

    Mas o Brasil se mostra como um bom exemplo de que a teoria neomalthusiana não deve ser deixada de lado,afinal,quanto menos nascer desse tipo de gentinha mais o Brasil chega perto do que ele está longe:ser um país forte economicamente mas também socialmente

  2. tejando disse:

    rofl neomalthus
    deleta essa porra comunista aí

  3. tejando disse:

    oh, e dp eu comento direito

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: