A Escala Bachiana

Nas minhas aulas de música mais recentes, em vista de eu querer passar no vestibular de música, meu professor me passou muita coisa sobre música erudita: músicas, escalas, solfejos e outras coisas mais. Mas o melhor foi quando ele falou de Bach – Johann Sebastian Bach.

Johann Sebastian Bach (Eisenach, 21 de março de 1685 — Leipzig, 28 de julho de 1750)

Johann Sebastian Bach (Eisenach, 21 de março de 1685 — Leipzig, 28 de julho de 1750)

Bach foi um compositor do barroco – um período da história com um estilo único – tido por muitos como o maior deles. Fez inúmeras contribuições para a música, e até hoje é tido por muitos como um dos mais importantes músicos da história, tanto que dizem que o barroco acabou quando Bach morreu. Pois bem, quem quiser saber mais sobre Bach, só pesquisar no Google.

Agora vou falar do que, para mim, até o momento, foi a tacada de mestre dele: a escala bachiana. A escala bachiana é uma mistura de outras escalas, sendo essas a menor melódica e a menor natural. O que são essas outras escalas que você falou? A menor melódica surgiu (até onde a memória me permite lembrar) a partir da menor harmônica, e essa por sua vez surgiu da seguinte situação: era muito difícil para as coristas alcançarem certas notas da escala natural. Então criaram essas outras escalas. Quem criou? Não sei. Que coisa mal explicada!

Mas voltando para a nossa escala-tema, aconteceu o seguinte: o criativo Bach decidiu usar uma progressão que conforme progrediam as notas (para os leigos: ficava mais agudo) utilizava-se a escala menor melódica, e conforme regrediam (ficava mais grave) utilizava-se a escala menor natural. Brilhante! Temos então uma das escalas mais brilhantes, que permite músicas lindas.

A teoria musical diz que a escala maior é composta pelos seguintes intervalos: tom tom semi-tom tom tom tom (e semi-tom). Veja:

As 12 notas musicais: Dó   Dó#   Ré   Ré#   Mi   Fá   Fá#   Sol   Sol#   Lá   Lá#   Si   (Dó). Então a escala maior em Dó seria: Dó   Ré   Mi    Fá   Sol   Lá   Si   (Dó). Acontece que a teoria nos diz que na escala menor harmônica a terceira nota é bemol, e na escala menor melódica a terceira e a sexta nota são bemol. Logo teremos:

>Menor Harmônica: Dó   Ré   Mi b (ou Ré#)    Fá   Sol   Lá b (ou Sol#)   Si   (Dó)

>Menor Melódica: Dó   Ré   Mi b (ou Ré#)    Fá   Sol   Lá  Si   (Dó)

Então caimos na escala menor natural, que tem a terceira, a sexta e a sétima bemol.

>Menor Natural: Dó   Ré   Mi b (ou Ré#)    Fá   Sol   Lá b (ou Sol#)  Si b (ou Lá#)   (Dó)

E finalmente a escala bachiana, que progride em menor melódica e regrede em menor natural.

>Escala Bachiana: Dó   Ré   Mi b   Fá   Sol   Lá   Si   Lá#   Sol#   Sol   Fá   Mi b   Ré   Dó

Só pode ter baixado o espírito de Pachelbel em Bach nesse dia. De qualquer modo, essa escala dá um toque único a tudo que ela toca (ou tudo que você toca com ela :D), não sei se posso chamar de o toque “celestial” do barroco, mas algo nesse sentido.

Abaixo, uma música conhecida de Bach, e também uma das que estou tentando aprender:

Anúncios

One Response to A Escala Bachiana

  1. tejando disse:

    Oh, que doidera. Bach é pop por boas razões~

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: